BREU | PICH BLACK

Breu (Pitch black), 2016
Vídeo, cor, som

4min 

Edição e Fotografia (Edition and Photography): Guilherme Peres e Tassia Quirino 

Em Breu, as imagens gravadas apresentam, em uma montagem não-linear, o processo semi-artesanal de asfaltamento de um retângulo desenhado arbitrariamente no meio de um gramado baldio. O som traz um texto circular que abunda em adjuntos adverbiais de modo (certo e errado, principalmente), sem definir nenhum objeto claro, o texto constrói o discurso em um ciclo sem fim, sobre o qual não se aplicam as ideias de progressão e evolução. ( Paulo Miyada)

In Pitch black, the recorded images present, in a non-linear montage, the semi-artisanal paving process of a rectangle arbitrarily drawn in the middle of a vacant lawn. The soundtrack brings a circular text that overflows in modal adverbial adjuncts (mainly right and wrong),without defining any clear object, the text builds the speech in an endless cycle, onto which the ideas of progress and evolution cannot be applied.